Share

A História de Yamileks Castro

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

Por Maria Danniella Gutiérrez- Salem 

Advogada Estrangeira – Venezuela 

 

Quando os sonhos de conquistas começam? Estamos tão acostumados a acreditar que os adultos são os únicos que têm sonhos de conquista. No entanto, este país está cheio de crianças que deixaram sua terra natal em busca de um futuro melhor. Yamileks Castro tem apenas 20 anos de idade e veio de Las Placetas San José de las Matas, República Dominicana. Em busca da realização do sonho do seu pai, que agora tornou-se o seu próprio sonho, ela tem uma visão familiar, de estudos e de sua mudança de país. 

Yamileks me contou com entusiasmo sobre sua família: “Após o divórcio dos meus pais, meu pai, Joseph Castro, decidiu que deveria procurar um futuro melhor para meus irmãos e, portanto, decidiu vir para Nova Iorque em 2003. Eu tinha apenas oito anos de idade e, naquela época, minha mãe Ingrid Nunez perguntou se eu queria ir com o meu pai e eu disse que sim. Esse simples ato de perguntar foi importante para mim. Foi muito difícil deixar minha mãe, e continua sendo. Às vezes, passo até três anos sem vê-la, mas, graças à tecnologia, posso manter contato com ela. Meu amor por ela não mudou, mas amadureci muito rápido e me tornei independente. Deus é muito generoso e meu pai se casou com uma mulher excepcional que ama meus irmãos e eu como se fôssemos seus filhos. O nome dela é Alejandrina Perez. Eu sei que nem todo mundo tem esta sorte e me sinto abençoada por isso”. Eu notei como seu rosto mudou de triste para alegre com suas palavras. 

Perguntei a Yamileks se foi difícil estudar nos Estados Unidos. “O ensino fundamental e médio não foram um problema, mas quando comecei a faculdade ficou difícil porque eu não recebia ajuda financeira no início e meu pai não tem um salário alto. No entanto, tudo se tornou mais fácil em Danbury. Procurei por trabalhos para pagar meus estudos, e, depois o governo começou a me ajudar, embora eu ainda continue trabalhando. Eu gosto de ser independente. Este é o país das oportunidades. Se você trabalhar duro, tudo é possível. Eu quero ser radiologista. Por enquanto estou cursando a Naugatuck Valley Community College, para conseguir minha formação de associada. Os professores aqui fazem o seu melhor para nos apoiarem. Divido a sala de aula com pessoas de muitos países e percebo que não estou sozinha. Quando me sinto desanimada, penso em todas as coisas que posso realizar e isso faz com que eu me sinta muito melhor”. Acho que é reconfortante ouvir alguém tão jovem falando com tanta coerência. Não devemos subestimar a nossa juventude. 

Quando perguntei: “Você sente muita falta da sua cidade na República Dominicana?” Yamileks respondeu: “Sim. O calor é diferente”. Eu perguntei: “Quão diferente?” Com felicidade e grande sinceridade ela explicou: “O calor não é úmido, não ficamos suando lá. Além disso, as pessoas são cordiais e simpáticas. Mesmo que elas não a conheçam, elas nos cumprimentam. As famílias sempre encontram tempo para o outro. Se você ficar doente, pode contar com todos. Todo mundo tem um senso de humor diferente. É como se cada dominicano tivesse um brilho em seu coração, uma alegria não só quando dançam, mas também quando falam. Nosso sotaque é inconfundível. Mas, apesar de tudo, este é o meu país agora”. Notei que ela parecia amar seu país de origem, e perguntei por que os Estados Unidos são seu país agora. Ela respondeu com toda a seriedade: “Infelizmente, estou ciente de que, para conseguir o que minha família tem agora e o que sei que posso alcançar como profissional, tenho que ficar em um país onde eu não tenha medo de sair nas ruas, onde eu possa encontrar um trabalho e onde a corrupção não é a coisa mais comum. Eu nunca vou deixar de amar a RD [República Dominicana], mas devo ser grata a este país. Eu quero retornar o que recebi”. 

Por fim, perguntei: “Você tem alguma mensagem para todos os jovens que vêm para a América?” Ela respondeu: “Que eles abram seus corações e amem esta terra de progresso, que aprendam o máximo que puderem, porque temos que estudar para alcançarmos todos os objetivos na vida, que amem sua família, já que ela estará sempre lá, não importa o que aconteça e que valorizem a oportunidade de estar em um país grande como este”. Certamente, Yamileks realizará seu sonho, pois ela está convicta em relação ao que quer. 


Danniella Maria Gutierrez-Salem praticou advocacia na Venezuela antes de seguir seu próprio sonho americano de se tornar uma escritora nos Estados Unidos. Para aqueles que desejam recomendar uma história ou mandar comentários, convido-os a serem coadjuvantes nesta coluna, contribuindo com ideias e sugestões para mdgutier@gmail.com. 

 

Leave a Comment