Share

Ao Contrário da UnitedHealth, a Aetna e a Anthem Permanecerão no Intercâmbio do ACA

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

 

Por Ana Radelat / ct mirror

Washington –A UnitedHealth pode abandonar o mercado nacional de seguros, mas a Aetna e a Anthem dizem que ficarão e vão ajudar a resolver os problemas com os mercados.

Maior seguradora em valor de mercado dos Estados Unidos, a UnitedHealth disse esta semana que deve perder até US$ 500 milhões com vendas de coberturas pelo Affordable Care Act no ano que vem.

Ela afirma ser provável sua saída do mercado estadual em 2017, se não começar a ter lucro.

Isso chamou a atenção de outros dois participantes dos mercados do Affordable Care Act, nos quais milhões de americanos adquirem seguros – Anthem e Aetna.

A UnitedHealth vende menos apólices no estado do que a Anthem e a Aetna. Em Connecticut, a UnitedHealth vendeu apenas 2% do total de apólices vendidas este ano.

A Anthem Blue Cross Blue Shield está presente em 14 mercados estaduais.

Joseph Swedish, presidente e CEO da Anthem, disse que sua empresa oferece mais de mil produtos de seguros nesses estados, “mais do que qualquer outra seguradora de saúde.”

“Como líder durante esse período de transformação sem precedentes da indústria de seguros de saúde, a Anthem continua empenhada em melhorar o acesso a cuidados de saúde de alta qualidade com preços acessíveis a todos os nossos membros dentro e fora dos mercados, e continuar o nosso diálogo com os representantes ​​políticos e reguladores a respeito de como podemos melhorar a estabilidade do mercado individual”, disse Swedish.

Se a fusão planejada com a Cigna se concretizar, a Anthem poderia estender seu alcance a mais alguns mercados, mas a Cigna não é uma grande participante dos intercâmbios.

Apesar do compromisso de Swedish com o ACA, o Rep. Darrell Issa, R-Calif., um crítico do Obamacare, previu que “se a United Healthcare sair, a Blues também não durará muito”.

O CEO da Aetna, Mark Bertolini, disse em uma teleconferência para investidores em 29 de outubro que “é muito cedo para falar sobre sair do ACA e dos intercâmbios”.

“Ainda vemos como uma grande oportunidade”, disse Bertolini.

A Aetna oferece apólices em 17 mercados, um número que pode crescer se a fusão com a Humana se concretizar.

A Aetna está perdendo dinheiro nesse negócio, disse o CFO da empresa, Shawn Guertin, numa conferência de cuidados de saúde da Credit Suisse no início deste ano.

“O negócio de mercado não é rentável”, afirmou.

Mas acrescentou: “Eu acho que podemos fazer melhorias no negócio.”

Ele disse que a Aetna foi prejudicada quando definiu o preço das suas apólices, porque “não tinha nenhuma informação” sobre os fatores de risco de seus novos segurados.

“Hoje, sabemos muito mais sobre esse negócio”, disse ele, “pressionando pelo aumento de taxas na faixa de 13 a 16 por cento” para as apólices de intercâmbio.

Ele também disse que a Aetna “tomou a decisão de não participar de determinados mercados”.

A Aetna não vende apólices no mercado de Connecticut, Health Access CT, embora certa vez tenha considerado fazê-lo. A empresa está saindo dos intercâmbios de Utah e Kansas este ano.

“Acredito que poderemos estar neste negócio em 2016”, disse Guertin.

O anúncio da UnitedHealth sobre os intercâmbios do ACA foi surpreendente porque, cerca de um mês atrás, a empresa estava divulgando perspectivas de crescimento para o negócio. O que aconteceu?

Bill Melville, analista sênior da Decision Resources Group, que estuda os intercâmbios do ACA, disse que o fracasso das cooperativas de seguro – prestadores de coberturas sem fins lucrativos geralmente de propriedade de grupos de médicos, hospitais e empresários – gerou uma “agitação” no mercado de cuidados de saúde.

Isso porque o desligamento dessas cooperativas em vários estados, sendo Nova York o mais recente, colocou milhares de pessoas à procura de novas apólices, e “há uma preocupação que eles estejam doentes ou sejam mais velhos”, disse Melville.

Por outro lado, disse ele, jovens saudáveis, os chamados “invencíveis” não estão se inscrevendo para cuidados de saúde nos mercados na intensidade que as seguradoras esperavam.

Por enquanto, o ACA parece seguro, mas a saída de outra grande seguradora pode significar um problema real, acrescentou.

“Por mais que as pessoas tenham ficado ansiosas sobre a UnitedHealth, a postura da Anthem é muito mais representativa”, disse Melville.

Horas depois de a UnitedHealth emitir a sua declaração sobre o mercado esta semana, os Centros de Serviços Medicaid e Medicare emitiram uma nota dizendo que iriam buscar dinheiro adicional para subsidiar um programa que visa reduzir os riscos que as seguradoras enfrentam ao definir os prêmios no novo e desconhecido mercado.

“No caso de déficit no ano de 2016, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) irá explorar outras fontes de financiamento para os pagamentos de riscos, dependendo da disponibilidade de crédito”, dizia a nota. “Isto inclui negociar com o Congresso o financiamento necessário para os pagamentos de riscos pendentes.

O programa de riscos funciona comparando os “custos elegíveis” de cada seguradora – além de outras despesas admissíveis – com o “valor-alvo” da seguradora – determinado por uma fórmula que subtrai despesas administrativas de prêmios coletados.

Se o valor-alvo de uma seguradora exceder seus custos permitidos além de uma determinada percentagem, ela é paga no programa. Se os custos admissíveis excederem o valor-alvo acima de uma determinada percentagem, a seguradora pode cobrar do programa.

O CMS anunciou no início deste ano que as seguradoras apresentaram US$ 2,87 bilhões em reivindicações de risco em 2014, enquanto tiveram contribuições de riscos de apenas US$ 362 milhões. Então, os pagamentos a seguradoras que sofreram no mercado será cortado, a menos que o CMS consiga mais dinheiro para o programa.

O fracasso das cooperativas de seguros de saúde em todo o país tem sido atribuído, pelo menos em parte, aos reduzidos pagamentos de riscos.

“Temos sido muito claros com a administração sobre os sérios desafios que enfrentam os consumidores e planos de saúde neste mercado de intercâmbio”, disse a presidente e CEO do America’s Health Insurance Plans, Marilyn Tavenner. “Recentemente, cerca de 800 mil americanos têm enfrentado paralisações na cobertura, como resultado do significativo e inesperado déficit do programa de riscos. Quando os planos de saúde não podem confiar no governo para cumprir as suas obrigações, indivíduos e famílias acabam sendo prejudicados.”

http://ctmirror.org/2015/11/20/unlike-unitedhealth-aetna-anthem-say-they-will-stay-in-aca-exchanges/

Leave a Comment