Share

Diabetes Esconde Efeitos Colaterais: Infertilidade

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

Por Shaun Williams, MD and Carolyn Gundell, M.S.

De acordo com relatório do Centro de Controle de Doenças (CDC) publicado em 2014, mais de 50% dos americanos descendentes de latinos irão desenvolver diabetes, uma doença causada pela glicose (açúcar no sangue) alta. O diabetes está ligado ao ganho de peso, doença cardíaca, lesão vascular, infertilidade e problemas de saúde graves para o bebê e a mãe durante a gravidez. Poucas pessoas sabem – e uma pequena parcela discute – que o diabetes afeta a produção do hormônio reprodutivo e aumenta o risco de aborto e defeitos de nascimento.

Como o Diabetes Afeta a Fertilidade

Nossos corpos dependem de hormônios para regular uma vasta gama de funções, incluindo a forma como processamos alimentos e energia quando ovulamos ou produzimos esperma saudável. Em um nível fundamental, diabetes e infertilidade são evidências de um desequilíbrio hormonal.

O diabetes é uma doença metabólica gerada pela incapacidade do organismo de produzir insulina suficiente, causando níveis elevados de glicose no sangue. Dessa forma, o pâncreas é obrigado a bombear mais e mais insulina para manter o controle da glicose. Para um casal que está tentando engravidar, produção hormonal e sensibilidade à insulina estão estreitamente interligados. Níveis mais elevados de produção de insulina podem aumentar andrógenos como a testosterona e o DHEAS, que interferem no crescimento dos folículos dos ovários. Os folículos são responsáveis por nutrir o desenvolvimento do ovo até que ele esteja maduro o suficiente para ser lançado até as trompas de falópio em busca de células de esperma. A insulina elevada pode causar uma ovulação irregular ou até mesmo nenhuma ovulação, devido ao efeito negativo dos andrógenos elevados.

O Que os Pacientes Podem Fazer

Pessoas que suspeitam estarem em risco de diabetes devem conversar com um médico.

A doença pode ser prevenida. Há muitas razões para evitar o diabetes, entre elas, a propensão a doenças cardíacas e hepáticas, complicações macrovasculares que danificam o cérebro e as pernas e complicações microvasculares que danificam olhos, rins, pés e nervos. Uma das razões mais importantes, porém, pode ser o desejo de começar uma família.

Nós, da Reproductive Medicine Associates of Connecticut (RMACT), queremos que nossos pacientes tenham a melhor chance possível de sucesso, e isso começa com a otimização de sua saúde – mesmo que isso signifique atrasar um ciclo do tratamento de fertilidade. Nutricionistas da RMACT estão disponíveis para aconselhamento (frequentemente cobertos por seguros) e seminários de grupo para ajudar os pacientes a melhorar a sua anomalia da regulação da glicose e ter o diabetes sob controle.

Dicas preliminares para a gestão da glicose elevada e seu efeito sobre a fertilidade:

  • Peça um exame de sangue para o seu médico. Se você for a um especialista em fertilidade, peça o hemoglobina A1c, um simples exame de sangue que informa o quanto o corpo de uma pessoa lida com o açúcar.
  • Calcule o seu IMC (índice de massa corporal). Existem vários sites que calculam o IMC quando uma pessoa introduz o seu peso e altura.
  • Fale com um nutricionista. Mudar hábitos alimentares pode ser muito difícil, mas ter um treinador e educador irá ajudar os pacientes a criar hábitos alimentares saudáveis.
  • Obter hábitos saudáveis juntos. Pacientes obtêm mais sucesso em fazer alterações em suas dietas e praticar exercícios se eles têm um parceiro que faz isso com eles.
  • Consultar um endocrinologista reprodutivo. Qualquer pessoa que tenha tentado engravidar por seis a doze meses e não obteve sucesso deve procurar um especialista em fertilidade certificado.

Os pais muitas vezes fazem as coisas para os seus filhos que eles não iriam fazer por si mesmos. Vemos isso quando os pacientes aprendem que a sua saúde impede um casal de ter um bebê. Achamos inspirador e admirável que muitos de nossos pacientes fazem alterações em seus hábitos, porque eles são determinados e dedicados a suas famílias.

Dr. Shaun Williams, especialista em fertilidade na RMACT, é um endocrinologista reprodutivo credenciado OB GYN que atende pacientes em Trumbull, Danbury, Stamford e Norwalk. Ele também lidera a equipe FertiFamilia da RMACT, que é uma equipe de língua espanhola, que inclui uma enfermeira, um consultor financeiro e um orientador.

Carolyn Gundell, MS, lidera o Fertility Nutrition Program at Reproductive Medicine Associates of Connecticut (RMACT). Ela tem mais de 25 anos de experiência em nutrição, aconselhamento de pacientes com condições associadas a infertilidade, tais como a resistência à insulina, diabetes e síndrome do ovário policístico (SOP).

Para entrar em contato com o Dr. Williams ou com Carolyn Gundell, ligue para 800-865-5431 ou visite o www.rmact.com; se você preferir ler em espanhol, clique na bandeira espanhola em nosso site.

Leave a Comment