Share

Julgamento: O Que Isso Diz A Nosso Respeito

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

Por Eric Faria 

 

Cada pessoa que você encontra tem algo de especial para lhe oferecer – se você estiver aberto para receber. 

Cada encontro lhe oferece o presente de uma maior auto-consciência, deixando claro o que você aceita ou não sobre si mesmo. Um olhar honesto irá lhe mostrar que as reações que você tem com os outros dizem mais a seu respeito do que a respeito deles. 

Você nunca pode saber com certeza o que motiva outras pessoas, entretanto, pode aprender o que você aceita ou julga em si mesmo. 

Por exemplo, se alguém faz uma observação a seu respeito e isso for algo que você também julga em si mesmo, provavelmente irá doer. No entanto, se eles fazem a mesma observação e esse julgamento sobre si mesmo não está presente, provavelmente não vai incomodá-lo em nada. 

Este ponto é válido para quase qualquer interação que se possa imaginar: Reações sempre tem a ver com os nossos próprios auto-julgamentos e sentimentos de inadequação, e não com a outra pessoa. 

A maioria dos julgamentos dos outros resultam de uma das três causas básicas: 

1. Você não iria tolerar o mesmo comportamento ou característica em si mesmo. 

Por exemplo, você pode ser tímido e encontrar uma pessoa muito sociável. Seu julgamento poderia ser algo como: Que exibido. Ele é tão espalhafatoso e desagradável. 

Como você teria vergonha de agir dessa maneira, você abomina isso no outro. 

Este tipo de julgamento pode revelar que você não está se expressando plenamente, portanto, você se sente incomodado quando outros o fazem. Tornar-se consciente da raiz desta reação, e como se expressar mais plena e autenticamente, resultaria num presente valioso na forma de uma maior liberdade de auto-expressão. 

2. Você exibe o mesmo comportamento e não está ciente disso, então, você projeta o seu comportamento repudiado para os outros e o julga “do lado de fora.” 

Todo mundo já encontrou essa segunda causa em algum momento. Alguém está se queixando de um amigo ou conhecido e você pensa consigo mesmo: “Que engraçado, eles fazem a mesma coisa que estão dizendo ser errado!” 

Olhe honestamente para dentro e veja se você compartilha algumas das características que você não gosta nos outros. Você pode se surpreender ao descobrir que sim, mesmo que seja em outra área de sua vida. Isso oferecerá uma visão mais ampla na sua auto-aceitação e maior compaixão pelos outros. 

3. Você é invejoso e se ressente dos sentimentos que surgem, dessa forma, encontra algo de errado com aqueles que têm o que você quer e acaba os julgando. 

Alguém que obteve reconhecimento pode lembrá-lo de sua própria falta de sucesso nesta área. Você pode se ressentir do grau de realização que eles alcançaram e, em seguida, encontrar algo de errado nessas pessoas, a fim de evitar os seus próprios sentimentos de inadequação. 

Sendo a inspiração um motivador muito mais eficaz do que a concorrência, você estaria mais perto de experimentar o sucesso caso se inspirasse pelas vitórias alheias ao invés de perder tempo repreendendo esses outros indivíduos. 

 

Eric Faria é Coach de Inteligência Emocional. Ele faz treinamentos de autodesenvolvimento desde 2005, usando essas ferramentas em seu Coaching profissional. Formou-se pelo programa do International Coach Federation em janeiro de 2014. Eric vive em Connecticut e, além de trabalhar com clientes particulares, faz palestras motivacionais. Para mais informações, ou para contatá-lo, envie um e-mail para eric@ericfaria.com. 

Leave a Comment