Share

Onde Está a Overdose dos Usuários de Drogas em Connecticut – PARTE II

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

Por Andrew Ba Tran | Trendct.org

 

As comunidades rurais e pobres sofrem a maior taxa de overdoses e isso só está piorando.

Em Connecticut, a morte por overdose de drogas é mais comum entre pessoas brancas do que entre outros grupos raciais e étnicos, e essa disparidade racial está crescendo.

Essa tendência também é válida para as mortes por overdose de opioides.

Examinamos os dados de 1912 mortes por overdose relacionadas a opioides de janeiro de 2012 a setembro de 2015 para ver quais grupos eram os mais afetados.

Primeiro observamos todas as mortes descritas como “induzida por drogas”, independentemente da sua categoria, em 2013, e o ano mais recente no qual existem dados disponíveis.

Houve 572 mortes descritas como induzida por drogas, e 355 mortes (62%) atribuídas à overdose acidental por qualquer opioide — que inclui drogas ilegais como a heroína e medicamentos prescritos, como a oxicodona.

A taxa de mortes por intoxicação em 10.000 residentes foi maior nos brancos (1,77) do que outros grupos raciais e étnicos. (Para nossos propósitos, “branco” e “negro” incluem aqueles identificados nos dados como sendo apenas branco ou apenas negro, não hispânico. Qualquer pessoa descrita como hispânica, independentemente da raça, foi categorizada como hispânica).

Nos três anos dos quais temos dados completos sobre as mortes por overdose, vemos uma lacuna crescente entre as taxas de mortalidade de brancos e de outros grupos raciais e étnicos.

“Ser branco ou rico não o protege. Na verdade, em alguns casos, pode ser um fator de risco”, disse o Dr. Daniel Tobin, professor assistente de medicina na Universidade de Yale. “Comunidades ricas tendem a ter melhor acesso a medicamentos prescritos para a dor”.

Em 2012, os moradores negros, hispânicos e brancos foram afetados por overdoses acidentais de opiáceos a uma taxa semelhante (cerca de 1 e 1,1 mortes por 10.000 habitantes).

A taxa de mortalidade aumentou não só para brancos, mas para os hispânicos também.

A taxa de mortalidade para os negros, que foi maior do que para outras raças em 2012, diminuiu, aumentando a lacuna racial.

Durante todo o período de janeiro de 2012 até setembro de 2015, a taxa de mortalidade por 10.000 residentes foi de 5,3-6,2 entre os brancos; 4,1, entre negros; 4 entre hispânicos; e 1,1 entre todos os outros grupos.

AMPLA FAIXA ETÁRIA

Mais da metade (56%) das vítimas de overdose de opioides tinham 40 anos ou mais, e as mortes foram bem distribuídas entre uma ampla gama de faixas etárias de 20 a 60 anos de idade.

Quanto mais velhas as pessoas ficam, mais visitam médicos e acumulam medicamentos. Connecticut ocupa o primeiro lugar em visitas para cuidados preventivos da saúde.

Não importa quantos anos você tenha, você está em risco, disse Tobin.

“Sim, parece que alguém pode ter um risco maior nessa faixa etária, mas se você olhar para aqueles com 30 anos, a diferença não é muito ou estatisticamente significativa”, disse ele.

No entanto, enquanto as mortes estão distribuídas quase uniformemente entre os grupos etários, as vítimas negras eram mais velhas do que as brancas ou hispânicas.

A idade média da vítima negra era de 48, em comparação com 41 para as brancas, 43 para as hispânicas e 30 para o grupo relativamente pequeno “outros”.

Overdoses estão afetando as pessoas em todas as categorias socioeconômicas.

Nas áreas urbanas podem haver mais overdoses por heroína, enquanto nas comunidades ricas, podem haver mais usuários de prescrição médica que mudam para a heroína.

“Mas em termos de frequência de utilização e risco de overdose, ela está em todas as faixas dos dados demográficos no estado”, disse Tobin.

De acordo com uma análise dos dados compilados pelo Gabinete do Instituto de Medicina Legal e pelo Dados Colaborativos de Connecticut, a heroína foi a droga encontrada com mais frequência na corrente sanguínea daqueles que tiveram uma overdose entre 21 e 45 anos desde 2012.

As mortes na faixa etária de 21-45 anos ultrapassam as de outras faixas etárias para drogas de outros tipos como hidrocodona, oximorfona e oxicodona. As vítimas de overdose de drogas entre as idades de 46 e 60 anos excedem aquelas em todos os outros grupos etários.

As vítimas brancas de overdose ultrapassam aquelas de raças, particularmente para a heroína. No entanto, a cocaína e o fentanil tinham lacunas menos pronunciadas entre as vítimas brancas e negras e hispânicas.

 

“Este material foi publicado originalmente no TrendCT.org, uma publicação do Connecticut News Project, Inc., uma organização apartidária, independente, sem fins lucrativos — uma 501(c)(3) — criada em 2009 para redinamizar a cobertura do governo estadual, administração pública e política.

Leave a Comment