Share

“Paus e Pedras Quebrarão Meus Ossos, Mas Palavras Nunca Me Machucarão”

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

 

Emanuela P. Leaf

Assim como a mídia social está explodindo com comentários e memes denunciando candidatos presidenciais republicanos, como Donald Trump e Ted Cruz, com suas posições duras sobre a reforma da imigração e comentários depreciativos e conflitantes sobre os imigrantes, o presidente Barack Obama, um democrata, apresentou este ano uma realidade muito mais dura para muitos imigrantes em todo o país.

As primeiras incursões de 2016, anunciadas antes do Natal pela administração Obama, tem como alvo as famílias da América Central que chegaram recentemente aos Estados Unidos. Cerca de 121 pessoas foram deportadas, na maior parte do Texas, Carolina do Norte e Geórgia.

O secretário do Departamento de Segurança Interna, Jeh Johnson, disse que as incursões tinham como alvo adultos e seus filhos que foram apreendidos após 1 de maio de 2014, haviam recebido uma ordem de retirada e não tinham reinvindicações de asilo pendentes.

Os críticos afirmam que muitas dessas famílias poderiam ter qualificado para asilo, mas não tiveram acesso a uma representação adequada para seu caso.

Em um comunicado divulgado em 4 de janeiro deste ano, Johnson explicou que, em novembro de 2014, ele emitiu novas prioridades para a fiscalização da imigração como parte das ações executivas de imigração do presidente. Estas novas prioridades em todo o departamento concentram nossos recursos de execução em criminosos condenados e ameaças à segurança pública. Estas novas prioridades  também incidem sobre a segurança nas fronteiras, ou seja, a remoção de pessoas detidas na fronteira ou que vieram para cá ilegalmente depois de 1 de janeiro de 2014.

No ano fiscal de 2015, o número de apreensões realizados pela Patrulha da Fronteira dos EUA daqueles que tentam atravessar a fronteira sul dos Estados Unidos ilegalmente – um indicador de tentativas de cruzar a fronteira – diminuiu para 331.333. A AP informou que o número subiu para 486.651 em 2014, mas esse número não pôde ser confirmado porque a agência ainda não divulgou seus dados do ano fiscal de 2013-14

Segundo a agência, com exceção de um ano, este foi o menor número de apreensões na fronteira sul desde 1972. Nos últimos meses, porém, a taxa de apreensões nessa fronteira começou a subir novamente.

Johnson ressaltou que ele tem dito repetidamente: “Nossas fronteiras não estão abertas a migração ilegal; se você vier aqui ilegalmente, lhe enviaremos de volta consistente com nossas leis e valores”.

Dessa forma, essas ações por parte da administração Obama deram o tom para um 2016 que acrescentará à reputação do presidente o nome de Deportador-Chefe. E para aqueles que querem ir mais fundo e descobrirem o verdadeiro clima político para a reforma da imigração na corrida presidencial de 2016, atenham-se ao velho ditado popular, “Paus e pedras quebrarão meus ossos, mas palavras nunca vão me machucar”.

E, neste caso, o líder democrata do país, o presidente Obama, continua a deportar as famílias de imigrantes, colocando potencialmente Hillary Clinton como sendo branda com eles. E os candidatos republicanos continuarão a falar – porque é só isso que os candidatos podem fazer – usar palavras – enquanto os que estão no poder são os únicos com os paus e pedras em suas mãos.

À luz das recentes incursões do Serviço de Imigração e Alfândega (ICE), o Tribuna recebeu inúmeros telefonemas em sua redação dos membros da comunidade à procura de esclarecimentos. Com isso em mente, decidimos publicar na página 6 as partes mais críticas de um comunicado oficial divulgado em 4 de janeiro pelo Departamento de Segurança Interna, destacando algumas das ações que o departamento tomará em 2016.

Leave a Comment