Share

Respondendo aos Comentários Racistas de Trump com Fatos

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

Por Latino Rebels, Via New America Media

Traduzido por Frederico Alberti

Nota do Editor: Este artigo foi publicado originalmente no dia 29 de junho no LatinoRebels.com e republicado no NAM (newamericamedia.org.)

Foram os comentários de Donald Trump no dia 17 de junho que levou o espaço digital latino a se expressar de um jeito que nunca vimos antes, incluindo uma petição online pedindo a NBC para terminar seus laços com Trump (agora, com cerca de 200 mil assinaturas. E não para de crescer):

Quando o México envia seu povo, eles não enviam o seu melhor. Eles não enviam você. Eles não enviam você. Eles enviam pessoas que têm muitos problemas, e eles estão trazendo esses problemas pra gente. Eles estão trazendo drogas. Eles estão trazendo crime. Eles são estupradores. E alguns, eu assumo, são boas pessoas”.
“E eu converso com os guardas da fronteira, e eles nos dizem que tipo de gente que está entrado no país. É só ter bom senso. É só ter bom senso. Eles não estão nos enviando as pessoas certas”.
“Não é só do México que eles estão vindo. Estão vindo de todas as partes da América do Sul e da  América Latina, e estão vindo, provavelmente, do Oriente Médio. Mas nós não sabemos. Porque nós não temos nenhuma proteção e não temos competência, nós não sabemos o que está acontecendo. E isso tem que parar. Isso tem que parar rapidamente.”

Não é surpresa que ninguém tenha respondido os comentários de Trump com fatos. O PolitiFact fez uma análise de outras questões abordadas em seu discurso de 16 de junho, mas nada sobre os comentários sobre o México. A Fox News Latino incluiu alguns boatos quando publicou uma reportagem da AP, mas não se aprofundaram no assunto. Então, se PolitiFact ou qualquer outro órgão de imprensa não se aprofundou nos comentários de Trump, vamos tentar dar a este um pouco mais de contexto. É óbvio para nós que a lógica de Trump (mexicanos estão trazendo problemas para os EUA => mexicanos são estupradores e criminosos => isso levará a mais terrorismo do Oriente Médio) é ridiculamente estúpida e racista. Mas, ainda assim, nós sabemos que dar um pouco mais de contexto para toda essa tolice é um exercício que vale a pena. Aqui está o que Donald Trump não quer que você saiba:

* O estado mais perigoso dos Estados Unidos é o Alasca, de acordo com estatísticas recentes. Na verdade, dos dez primeiros estados nesta categoria, apenas um (Novo México) é um estado de fronteira e apenas dois (Florida e Nevada) são considerados estados não fronteiriços com populações latinas significativas.

* Algumas das cidades mais seguras dos EUA ficam na fronteira.
* Estupro? Aqui está o que você precisa saber: os EUA têm uma taxa significativamente maior de estupro do que o México – quase seis vezes mais. Além disso, as estatísticas dos últimos 20 anos continua dizendo que estupradores brancos do sexo masculino são mais comuns do que qualquer outro tipo de pessoa neste país.

* Perto de 40% das estatísticas criminais federais foram relacionados com a imigração em 2013. As drogas foram responsáveis por cerca de 20%, enquanto crime violento estava em 19%. O crime organizado estava em 0,03%. Pense sobre isso.

* Dados reais sobre a imigração e os imigrantes sem documentos seria útil para este debate, mas por que Trump quer fazer isso? Algumas coisas para pensar quando se trata de economia: “Para os Estados Unidos como um todo, a quota da produção total dos imigrantes era de cerca de 14,7% no período 2009-2011. Note que este é realmente maior do que 13% de participação da população dos imigrantes.” Depois, há o seguinte: Imigrantes não autorizados são um líquido positivo para os orçamentos públicos, porque eles contribuem mais para o sistema do que ganham”.
* Além disso, se Trump está tão preocupado com os problemas que vêm para os EUA; ele, como Presidente, autorizará perto de $ 258 bilhões (em dólares de 2008) para enviá-los todos de volta para casa?
Vamos mostrar, agora, uma perspectiva sobre quantas pessoas mexicanas já são parte do tecido deste país, seja com uma visita aos EUA, seja residência legal ou apenas o número crescente de mexicanos-americanos nos EUA:
* Dado do DHS: “Havia 61.052.260 de admissões I-94 de não imigrantes em 2013… A maior categoria de admissões em 2013 foi de visitantes temporários para lazer e turismo, o que representou 79% da admissões I-94”. Dos 61 milhões de pessoas que visitaram este país, cerca de 18 milhões vieram do México, e se você considerar cerca de 80% desse número para viagens de lazer, estamos falando de cerca de 14 milhões de mexicanos que visitaram os EUA em 2013. Quanto que esses mexicanos deixaram de dinheiro para impulsionar a economia deste país?

* Mexicanos correspondem a 25% de toda a população residente permanente legal do país. De acordo com estatísticas de imigração de 2013 (DHS), existem 13.140.000 residentes permanentes legais nos Estados Unidos. 3.280.000 desses moradores nasceram no México, dos quais 2,67 milhões são aptos de serem naturalizados. Isso é um grande número de mexicanos.

* Em seguida, você adiciona a população americana/mexicana a este grupo: não é um número insignificante. Dados da Pew: “Os mexicanos são, de longe, a maior população de origem hispânica nos EUA, que corresponde a quase dois terços (64%) da população hispânica dos Estados Unidos em 2012. Os hispânicos de origem mexicana também são uma parcela significativa da população dos EUA, representando 11% do total.” E você se pergunta por que as pessoas ficam chateadas.

 

ATUALIZAÇÃO: Até 4 de julho, aqui está a lista atual de todos os que decidiram cortar os laços com Trump: J Balvin, cantor do Miss USA; Univision; Roselyn Sanchez, co-apresentadora do Miss USA; Cristian de la Fuente, co-apresentador do Miss USA; NBCUniversal; Farouk Systems, patrocinador do Miss USA; Emissora mexicana Televisa; Jonathan Scott, juíz do Miss USA; Craft Brewer 5 Rabbit Cerveceria; TV Production Studio Ora TV; Thomas Roberts, co-apresentador do Miss USA; Cheryl Burke, co-apresentadora do Miss USA; Natalie La Rose, cantora do Miss USA; Macy’s Department Store; Prefeitura de New York; Emmitt Smith, juíz do Miss USA; Flo Rida, cantor do Miss USA; Craig Wayne Boyd, cantor do Miss USA; Rede de TV Teletica da Costa Rica; “Trump Home”, Serta, fabricante de colchões; Marcus Lemonis, CEO da NASCAR Sponsor Camping World e NASCAR.

Leave a Comment