Share

Senador de CT Solicita um Aumento na Verba para Pesquisa do Vírus Zika

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

 

Por Angela Barbosa

Em 29 de janeiro, na Spanish American Merchants Association em Hartford, o senador norte-americano Richard Blumenthal (D-Conn.), Comissário do Departamento de Saúde Pública (DPH), Dr. Raul Pino, médicos especialistas e líderes da comunidade latina de Connecticut solicitaram uma verba maior e uma resposta abrangente da saúde pública para enfrentar a epidemia Zika que está se espalhando por toda a América Latina e Caribe.

Uma variedade recente do vírus transmitido por um mosquito tem sido associada a graves defeitos de nascimento, e os casos estão sendo relatados nos Estados Unidos, incluindo menos de uma dúzia em Porto Rico, mas milhares no Brasil. Espera-se que o vírus se espalhe por todo os Estados Unidos conforme a temperatura aumenta.

Os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) emitiram um alerta de viagem para as mulheres grávidas que evitem viajar para 24 países e territórios onde o vírus Zika está se espalhando, incluindo Brasil e Porto Rico.

“A epidemia Zika é uma explosão na crise da saúde pública que os especialistas parecem incapazes de compreender ou de controlar. Felizmente, muitos dos que são infectados sofrem apenas sintomas leves, mas para muitas mulheres grávidas, as consequências deste vírus foram catastróficas, causando graves defeitos de nascença na vida de milhares de crianças. Uma resposta imediata é necessária, com financiamento robusto para agilizar a investigação sobre uma vacina, testes e medidas para reduzir a disseminação deste vírus alarmante”, disse Blumenthal.

Blumenthal também escreveu uma carta ao presidente Obama para estimulá-lo a solicitar o aumento do financiamento em seu orçamento do Ano Fiscal de 2017 para a saúde pública global e saúde materna e infantil para combater o recente surto do vírus Zika. Embora o vírus cause sintomas brandos em casos gerais — tais como febre, conjuntivite e dores de cabeça — ele representa perigo adicional para as mulheres grávidas, especialmente durante o primeiro trimestre, quando algumas não percebem que estão grávidas.

Blumenthal escreveu: “Mais de 4.000 casos de microcefalia e deformidades de nascimento em crianças no Brasil têm sido associados ao surto do vírus Zika. Como não há vacina, tratamento ou teste de diagnóstico amplamente acessíveis, muitos países latino-americanos — como Brasil, Colômbia, El Salvador e Honduras — estão simplesmente encorajando as mulheres a adiarem a gravidez”, acrescentando: “Dentro de nossas próprias fronteiras, uma dúzia de americanos foi infectada com o Zika depois que visitam os países que experimentaram um surto viral. A investigação sobre o desenvolvimento de uma vacina para o vírus Zika, testes de diagnóstico e tratamentos devem ser implementadas como parte de uma estratégia eficaz para acabar com esta epidemia prejudicial e proteger os americanos que viajam para o exterior. Além disso, os Estados Unidos devem continuar a ajuda às mulheres em países onde o acesso à informação na saúde pública e os serviços de planejamento familiar voluntário são inadequados.”

“Estamos trabalhando com o Ministério da Saúde do Brasil e outros parceiros internacionais de saúde pública para investigar um aumento inesperado no número de bebês que nasceram com microcefalia de mães que foram infectadas com o vírus Zika durante a gravidez”, disse Lyle R. Petersen, MD, MPH — Diretor da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores, para o CDC.

O Departamento de Saúde Pública de Connecticut pediu aos prestadores de cuidados da saúde para notificarem casos suspeitos do Zika as autoridades de saúde estaduais e locais.

Nenhum caso da doença foi relatado em Connecticut, de acordo com o DOH. Um caso foi confirmado em Porto Rico em dezembro, e os casos foram relatados em viajantes, mas o vírus não foi transmitido para outras partes dos EUA, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

“Todas as pessoas, especialmente mulheres grávidas, que estão viajando para áreas onde o vírus Zika for encontrado, devem tomar precauções para evitar as picadas de mosquitos e reduzirem seu risco de contraírem o vírus Zika, bem como outros transmitidos por mosquitos, como a dengue e chikungunya”, disse Dr. Raul Pino, comissário do DPH, em um comunicado.

Ele pediu que as pessoas que viajaram para áreas com atividade do Zika obtenham cuidados médicos, se tiverem febre e sintomas da infecção, que incluem erupção cutânea, dor nas articulações e conjuntivite.

Os mosquitos que normalmente espalham o vírus Zika não são encontrados em Connecticut, disseram as autoridades estaduais.

“Espécies relacionadas estão presentes em números muito baixos e não são susceptíveis de apresentarem risco as pessoas de infecção pelo vírus Zika”, Dr. Phil Armstrong, médico entomologista do Center for Vector Biology & Zoonotic Diseases na Estação Experimental Agrícola de Connecticut, disse em uma afirmação. “Se o vírus se espalhar para o território dos Estados Unidos, ele provavelmente será identificado pela primeira vez na Flórida ou nos estados do Golfo”.

O que fazer?

O CDC recomenda que as pessoas que viajam para áreas afetadas pelo vírus Zika usem repelentes de insetos, mangas compridas e calças e permaneçam em áreas com ar-condicionado ou em locais com telas nas janelas e portas.

Recomendações de viagem sobre o Zika:

  • Vírus Zika em Cabo Verde
  • Vírus Zika no Caribe
    Atualmente inclui: Barbados; Curaçao; República Dominicana; Guadalupe; Haiti; Jamaica; Martinica; Porto Rico, um território dos EUA; Saint Martin; Ilhas Virgens Americanas
  • Vírus Zika na América Central
    Atualmente inclui: Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá
  • Vírus Zika no México
  • Vírus Zika nas Ilhas do Pacífico
    Atualmente inclui: Samoa Americana, Samoa, Tonga
  • Vírus Zika na América do Sul
    Atualmente inclui: Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Paraguai, Suriname, Venezuela

Como o Zika é transmitido?

Através das picadas do mosquito

O vírus Zika é transmitido para as pessoas principalmente através da picada de uma espécie infectada do mosquito Aedes (A. aegypti e A. albopictus). Estes são os mesmos mosquitos que espalham os vírus da dengue e chikungunya.

Esses mosquitos normalmente colocam ovos em e perto de água parada em coisas como baldes, bacias, pratos de animais e vasos de flores. Eles preferem picar as pessoas, e vivem em ambientes fechados e ao ar livre perto delas.

Mosquitos que transmitem a chikungunya, dengue e o Zika são mais agressivos durante o dia. Eles também podem morder à noite.

Os mosquitos são infectados quando se alimentam de uma pessoa já infectada com o vírus. Os mosquitos infectados podem então transmitir o vírus a outras pessoas através de picadas.

Raramente, de mãe para filho

Uma mãe já infectada com o Zika vírus perto do momento do parto pode transmitir o vírus ao recém-nascido no nascimento, mas isso é raro.

É possível que o vírus Zika possa ser passado de mãe para filho durante a gravidez.

Através do sangue infectado ou contato sexual

A propagação do vírus por transfusão de sangue e contato sexual foi relatada.

Quais são os sintomas do Zika?

Cerca de 1 em cada 5 pessoas infectadas com o Zika ficarão doentes. Para as pessoas que ficam doentes, geralmente têm sintomas leve. Por esta razão, muitas podem não perceber que foram infectadas.

Os sintomas mais comuns do vírus Zika são febre, erupção cutânea, dor nas articulações ou conjuntivite (olhos vermelhos). Os sintomas começam geralmente de 2 a 7 dias depois de ser picado por um mosquito infectado.

Os sintomas do Zika são semelhantes aos da dengue e chikungunya, doenças espalhadas pelos mesmos mosquitos que transmitem o Zika.

Consulte seu médico se desenvolver os sintomas descritos acima e visitar uma área onde o Zika é encontrado.

Se você tiver viajado recentemente, informe seu médico quando e para onde viajou.

Seu médico pode solicitar exames de sangue especializados para procurar o Zika ou outros vírus semelhantes, como dengue e chikungunya.

FONTE: Centros de Controle e Prevenção de Doenças

Leave a Comment