Share

Tragédia em Mariana: Milhares Afetados Pela Falta D’água

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

 

Governador Valadares paralisou. Cerca de 280 mil pessoas ficaram sem água.

JHONNATHAS TRINDADE 20/11/2015
COLABORAÇÃO ESPECIAL PARA TRIBUNA CT
EM GOVERNADOR VALADARES (MG)

Margens do Rio Doce no centro da cidade. Ao fundo a Ibituruna principal ponto turístico da cidade

O dia 05 de novembro de 2015 será lembrado no calendário brasileiro por muitos anos. Nesse dia aconteceu o maior desastre ambiental do país. Uma barragem de rejeitos de minério se rompeu, por onde a lama passou deixou muitos estragos. A barragem é da empresa Samarco que pertence a duas acionistas: a anglo-australiana BHP Billiton Brasil Ltda. e a brasileira Vale S.A.

O lugar: Mariana. No hino oficial da primeira vila, cidade e capital do estado de Minas Gerais, diz assim “Quem é que vem perturbar o meu sono de bela princesa no bosque a dormir?”. É a cidade que viu seu distrito de Bento Rodrigues ser devastado, nunca mais será a mesma. Centenas de pessoa perderam suas casas, sete mortos já foram identificados, quatro corpos aguardam o reconhecimento e doze pessoas ainda estão desaparecidas.

Mas algo inesperado aconteceu, a lama de rejeitos atingiu o Rio Doce, considerado um dos rios mais importantes do Brasil por conter o curso que representa a maior bacia hidrográfica da região sudeste do país. A cidade mais afetada foi Governador Valadares, o abastecimento de água na cidade foi paralisado. Seus 280 mil moradores ficaram sem nenhuma gota d’água, todas as distribuidoras de água mineral tiveram seus estoques vendidos. A cidade paralisou, foi decretado estado de calamidade pública, escolas e universidades suspenderam suas atividades. Iniciou-se uma corrida por água. Campanhas de doações foram criadas e a Samarco se responsabilizou de fornecer o abastecimento na cidade, mas para que a população tivesse uma quantidade mínima de água, seriam necessários quinze milhões de litros de água por dia, mas a empresa conseguia fornecer apenas quatro milhões.

Valadares se tornou um caos, várias pessoas deixaram suas casas e foram para outras cidades. A solução encontrada pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto da cidade, o SAAE, foi tratar a água do Rio Doce com o polímero de acácia negra que separa a lama da água, permitindo assim o tratamento. Porém essa água está chegando às casas com um cheiro muito forte, com uma quantidade de cloro elevada, no entanto, a água pode ser consumida. Diante dessa situação vários boatos surgiram nas redes sociais dizendo que essa água estava contaminada, sendo rapidamente desmentidos pela prefeitura municipal de Valadares. O uso da água fornecida pelo SAAE, no entanto, segue para a limpeza em geral e para o banho. Para o consumo, poucas pessoas se arriscam a beber, por isso a distribuição e as campanhas de doações de água mineral continuam.

O Rio Doce praticamente morreu, não existe vida debaixo de suas águas, varias famílias que dependiam da pesca perderam o seu sustento. Estima-se que levarão anos, décadas e até séculos para a recuperação total do rio e será muito caro. A esperança é que um dia esse rio volte a ter vida, com sua riqueza natural, seus peixes que alimentarão muitas famílias e a água que cerca de três milhões de pessoas precisam.

COMO DOAR:

Fundo “Água para Minas”

https://www.gofundme.com/5bak7y5w

Fundo para Água do Comitê de Manejo de Crises da cidade de Governador Valadares

(Eles não podem receber doações online. Doações somente poderão ser feitas via transferência bancária)

Banco: Banco do Brasil

Agência #: 0116-x

Conta #: 116.537-2

Leave a Comment